Consumo Consciente manterá a sustentabilidade como prioridade para empresas, diz pesquisa

Smurfit2

Clique na imagem para ver o infográfico

Pesquisa realizada pela fabricante de embalagens de papel e papelão Smurfit Kappa mostra como o Consumo Consciente continua a impulsionar a necessidade de organizações do Reino Unido incorporarem a sustentabilidade nas operações comerciais. Com uma demanda crescente por mais transparência das práticas de sustentabilidade das empresas entre uma nova geração de consumidores, a pesquisa também destaca como dois terços das empresas do Reino Unido ainda lutam para medir o impacto dos resultados de suas estratégias de sustentabilidade.

A Pesquisa de Equilíbrio de Sustentabilidade e Lucratividade, realizada entre 200 executivos seniores e 1500 consumidores no Reino Unido, examina a visão da comunidade empresarial e dos consumidores sobre sustentabilidade e como eles estão se adaptando para criar um futuro mais sustentável.

O efeito do consumidor

A pesquisa constatou que 61% dos consumidores esperam que as marcas que eles consomem tenham práticas claras de sustentabilidade. Enquanto 65% dos consumidores dizem que o preço ainda é um fator-chave na sua decisão de compra, nos últimos seis meses, mais da metade diz ter comprado um produto especificamente porque tinha embalagens reutilizáveis ou biodegradáveis e 56% pagaram mais por um produto ou serviço que foi adquirido de forma sustentável.

Steven Stoffer, vice-presidente do grupo de sustentabilidade e desenvolvimento da Smurfit Kappa, afirma que no passado “a sustentabilidade era considerada mais um tópico corporativo, mas agora a agenda de sustentabilidade está sendo conduzida pelos consumidores. Embora a pesquisa tenha sido realizada pouco antes da pandemia da Covid-19, estamos vendo evidências crescentes de que essas tendências continuarão à medida que nossas economias começam a reabrir”. Antes da pandemia, os consumidores exigiam cada vez mais produtos sustentáveis e de origem ética, e, pesquisas recentes nos EUA, sugerem que o Covid-19 não reduziu essa demanda por produtos sustentáveis.

A força motriz do consumo consciente é ecoada pela pesquisa: 63% das empresas afirmaram que sua atitude organizacional em relação à sustentabilidade é direcionada ao cliente. No entanto, metade das organizações afirma que uma maior conscientização dos clientes (e consumidores) sobre os efeitos de suas práticas de sustentabilidade seria mais benéfica para seu impacto a longo prazo.

A pesquisa também apontou que 69% dos consumidores têm dificuldades para identificar se as marcas praticam a sustentabilidade. “Isso sugere que existe uma lacuna de conhecimento entre marcas e consumidores e indica que há um ônus sobre as marcas que precisam melhorar a comunicação sobre o que estão fazendo na área de sustentabilidade. Em geral, é necessário mais educação e, se as marcas conseguirem isso corretamente, isso fortalecerá enormemente o relacionamento entre marca e cliente”, disse Stoffer.

Sustentabilidade e benefícios financeiros

A experiência/satisfação aprimorada do cliente é a principal métrica que as empresas do Reino Unido (58%) usam para conhecer o retorno do investimento das práticas de sustentabilidade. No entanto, a Pesquisa de Equilíbrio da Sustentabilidade e Lucratividade também constatou que atualmente apenas 18% das organizações estão medindo seus planos de sustentabilidade, com 4 em 10 empresas dizendo que a mensuração é a principal barreira para a implementação de novas práticas sustentáveis.

A pesquisa também mostrou que 82% dos executivos de negócios tratam a sustentabilidade como um investimento a longo prazo, e não como um custo. Fundamentalmente, isso está mudando as regras dos relatórios financeiros em quase três quartos dos negócios. No entanto, menos da metade das organizações tem a capacidade de vincular sustentabilidade a resultados financeiros.

“Ao entrarmos em tempos econômicos incertos, as empresas estão colocando todos os esforços na recuperação e estão focadas em como reconstruir à medida que as restrições à saúde pública começam a ser atenuadas”, acredita Ken Bowles, diretor financeiro da Smurfit Kappa. “Como aprendemos com as crises econômicas passadas, os líderes empresariais também precisam ficar de olho no futuro, no qual a sustentabilidade será um pilar central das estratégias de negócios – a crise climática permanecerá após o Covid-19. Esta pesquisa destaca agora mais do que nunca a necessidade de criar um ambiente em que os negócios possam adotar práticas sustentáveis sem a pressão de custos adicionais”, afirma o executivo.

A crescente conscientização social e ambiental está aumentando a pressão sobre as empresas para que desempenhem seu papel na redução do impacto das mudanças climáticas e dos resíduos. A pesquisa constatou que 72% das empresas veem a sustentabilidade como uma tendência duradoura.

 

A sustentabilidade também está abrindo oportunidades de crescimento: 83% das empresas a descreveram como uma oportunidade de negócio a ser explorada. “A sustentabilidade é um catalisador do crescimento, mas as empresas precisarão encontrar um equilíbrio entre as práticas de sustentabilidade e a lucratividade se quiserem garantir a participação de longo prazo das partes interessadas. As empresas que veem o valor de investir agora a longo prazo, estarão posicionadas para vencer no futuro “, ressalta Tony Smurfit, CEO do Grupo Smurfit Kappa.

A pesquisa

A pesquisa foi conduzida pela Longitude, uma divisão do Financial Times e entrevistou 200 executivos seniores e 1.500 consumidores no Reino Unido entre janeiro e março de 2020. Além desta pesquisa quantitativa, a Longitude também realizou uma série de entrevistas qualitativas aprofundadas entre janeiro e março de 2020, para reunir insights sobre a sustentabilidade corporativa na prática.

 

Comentários


menu
menu