Economia circular e Cradle to Cradle

Como imprimir suas embalagens com conceito de economia circular?

Por Rogério Gomes*

Rogério Gomes - foto

* Rogério Gomes é gerente Técnico de Aplicação no hubergroup Brasil

Com inovação e foco na sustentabilidade, aconteceu recentemente um dos congressos mais importantes do mundo sobre economia circular, o “International Cradle to Cradle Congress”, onde foram apresentadas novidades para a indústria que busca imprimir suas embalagens de forma sustentável e circular, seja em papel cartão ou em substratos flexíveis.

Mas antes de falarmos sobre o congresso, vale a pena entender um pouco melhor o que é Cradle to Cradle, principalmente no mercado de impressão.

Este importante certificado, auditado pelo EPEA Int. Umweltforschung GmbH e Cradle to Cradle Products Innovation Institute, é um conceito inspirado na natureza e que define padrões muito altos. Baseia-se em ciclos fechados que não geram resíduos e conservam matérias-primas valiosas. Isso significa que se os materiais utilizados no produto puderem retornar a um ciclo biológico, já não serão mais desperdício, mas um nutriente valioso. Por exemplo a “borra” decorrente do processo de reciclagem dos impressos, processo esse conhecido como “deinking”, já não será mais um contaminante, mas uma matéria-prima importante para outras funções e, mesmo que se descartada, não terá nenhum impacto negativo no meio ambiente.

Esse selo ecológico representa, consequentemente, o uso de materiais ambientalmente seguros e recicláveis e com formas renováveis de energia, gerenciamento responsável da água e a implementação de estratégias que enfatizam as obrigações e o compromisso social da empresa.

Bem, voltando ao congresso: ali foi discutida a importância iminente de se redesenhar os conceitos de economia linear, onde os recursos naturais finitos são extraídos para a produção de bens que serão utilizados e descartados em forma de lixo, para os de economia circular, onde os recursos naturais são minimamente utilizados e todos os bens são reaproveitados e reciclados como recursos tantas vezes quantas forem necessárias e possíveis, e somente quando isto não seja realmente mais possível, esses bens sejam reintroduzidos na natureza, porém com impacto positivo, e não mais como lixo, como pode ser observado no manifesto do blog Ideia Circular (que recomendamos a leitura e pesquisa) “O lixo é um erro de design”.

Para os impressores offset, o hubergroup apresentou uma ampla gama de tintas e vernizes certificados Cradle to Cradle. Por exemplo no Brasil, muitas empresas já se beneficiam destes produtos e utilizam a linha de tintas Resista, formulada livre de cobalto e certificada Cradle to Cradle Bronze.

A impressão de embalagens flexíveis não ficou atrás. Este mercado, que atualmente sofre bastante ataques e preconceitos devido ao plástico, agora também possui possibilidades de impressão com tintas e vernizes certificados Cradle to Cradle, como por exemplo a linha “Gecko Green Line Premium series”, para a impressão em flexografia ou rotogravura com diversas aplicações possíveis. Estes produtos, além de Cradle to Cradle, também são certificados e atendem aos requisitos de Compostagem da VIncotte, uma organização de certificação e inspeção credenciada na Bélgica que monitora a segurança e a confiabilidade dos produtos.

Para o hubergroup, não se trata apenas de oferecer aos clientes alguns produtos com conceito de sustentabilidade ou Economia Circular, se trata de uma mudança real de postura e de valores, pois como foi dito no congresso pelo CEO do hubergroup Sr. Heiner Klokkers, “A sustentabilidade é uma questão que afeta a todos. Podemos realmente fazer algo se todos nos unirmos e mudarmos o mercado permanentemente”,

Atualmente o hubergroup vem transformando todas as suas plantas e produtos utilizando sempre os critérios da Economia Circular e oferendo produtos de linha com certificações Cradle to Cradle para que os impressores e convertedores se habilitem ao desafio de produzir embalagens sustentáveis e circulares. Agora dependerá de cada um fazer a sua parte e redesenhar o futuro de forma sustentável e positiva.

Comentários


menu
menu