Os perigos dos metais pesados nas resinas pós-consumo

O plástico reciclado pode ser aplicado puro ou blindado com a resina virgem e destinado para as mais diversas aplicações, como utensílios domésticos, embalagens rígidas e flexíveis. Mas, há um grande problema que muitas empresas ainda não se atentaram na hora de escolher trabalhar com resina pós-consumo: a contaminação por metais pesados.

Sabe-se que os produtos finais podem conter metais pesados oriundos dos pigmentos que os colorem. No processo de reciclagem, no momento da separação, considera-se como critério de divisão o tipo de resina (PE, PP, PET, etc.), quando também deveria considerar se o material é ou não isento de metal e para qual aplicação final ele se destina, já que, uma vez que é feita a reciclagem de um produto plástico que contenha pigmentação à base de metal pesado, ele pode vir a contaminar outros materiais por migração.

Os metais pesados são elementos químicos metálicos obtidos por meio de atividades extrativas como a mineração. Metais pesados como o cádmio, chumbo e cromo estão presentes nos pigmentos utilizados em alguns concentrados de cor (masterbatches) amplamente utilizados na indústria do plástico no Brasil. O grande problema é que, quando em contato com o nosso organismo, essas substâncias tendem a se acumular, sendo dificilmente eliminadas e, em altas quantidades, podem ser tóxicas, causando danos nas funções mental e nervosa, prejudicando também os órgãos.

Certificar-se de que oferecem aos seus clientes produtos isentos de metais pesados é um grande posicionamento de mercado e uma atitude responsável para empresas preocupadas com a saúde das pessoas e o bem-estar da sociedade e que desejam construir a imagem de uma marca responsável e que está sempre à frente das crescentes exigências nacionais e internacionais. Por isso, é importante que os transformadores plásticos exijam matérias-primas isentas de metais, estimulando toda a cadeia a abolir o uso dessas substâncias.

Comissão de Estudo Especial de Compósitos Concentrados de Aditivos Químicos

No dia 6 de dezembro de 2019, ocorreu a reunião de instalação da Comissão de Estudo Especial de Compósitos Concentrados de Aditivos Químicos – ABNT/CEE-243, que discute a normalização no campo de concentrados de aditivos químicos (masterbatches), compreendendo sua aplicação na fabricação de produtos plásticos com controle de substâncias químicas restritivas e limites orientativos. Participaram da reunião, indústrias fabricantes de aditivos, pigmentos, masterbatches e compostos, e também associações de classe.

Dentre as substâncias químicas que a Comissão discutirá para o estabelecimento de limites estão os metais pesados.

Fonte: Cromex

Comentários


menu
menu