O que tem de melhor em cada lado

Informe publicitário

Recentemente, uma parceria muito importante para a cadeia do plástico foi formada. De um lado, a gigante multinacional Dow. Do outro, a Boomera, uma startup brasileira. O objetivo comum é o desenvolvimento de uma resina de alta performance produzida com material reciclado pós-consumo.
“Temos há bastante tempo um compromisso para desenvolver tecnologias que entreguem soluções sustentáveis, que vão desde a simplificação de estruturas até o uso eficiente de recurso”, conta Tamires Silvestre, gerente de sustentabilidade da Dow. “A Boomera tem uma proposta de valor muito alinhada com a nossa, de fechar o ciclo, com um olhar mais circular, de desenvolver a cadeia, de colaborar com parceiros para que todos estejam juntos nesse processo.” Dessa afinidade nasceu o projeto. Mas é a diversidade dos dois parceiros que mais traz boas perspectivas.

A executiva acredita que unir a expertise técnica de uma empresa forte e tradicional na fabricação de resinas com a agilidade e a metodologia inovadora de trabalho da Boomera é uma forma de acelerar o processo. “Empresas grandes muitas vezes acabam presas aos seus processos, pois estão focadas em seus portfólios, em atender bem os seus clientes. A colaboração com startups como a Boomera agrega novos conhecimentos amplia nossa capacidade e o nosso alcance, porque a equipe deles está olhando para coisas que naturalmente nós não iríamos olhar.”
De acordo com a Dow, essa é uma iniciativa inovadora, um dos primeiros projetos com esse escopo no mundo, e as perspectivas com os resultados são ótimas. O trabalho com a Boomera prevê um investimento inicial de R$ 400.000,00 para o desenvolvimento de uma resina reciclada com elevado desempenho técnico, comparável ao de materiais virgens. “O objetivo é que seja um material reciclado com valor”, define Tamires. “Estamos avaliando os resíduos que recebemos das cooperativas, entendendo quais são as melhores aplicações, quais são os mercados em que há uma demanda maior agora no começo, ou que tenham uma possibilidade maior de desenvolvimento. Provavelmente começaremos com uma aplicação, um mercado específico, mas o objetivo é expandir o portfólio.”

Mais informações: em@boomera.com.br

União de conhecimento para desenvolver novas resinas recicladas. André Kenji (de camisa branca) e Guilherme Brammer (de verde), da Boomera, com Fábio Mendes e Tamires Silvestre (em pé), Carolina Mantilla (esq), diretora de Sustentabilidade para a América Latina, e Sabine Rossi, gerente de Desenvolvimento de Mercado da Dow

União de conhecimento para desenvolver novas resinas recicladas. André Kenji (de camisa branca) e Guilherme Brammer (de verde), da Boomera, com Fábio Mendes e Tamires Silvestre (em pé), Carolina Mantilla (esq), diretora de Sustentabilidade para a América Latina, e Sabine Rossi, gerente de Desenvolvimento de Mercado da Dow

Comentários


menu
menu