Ibema recicla papel cartão revestido com plástico

Existe um mito de que o papel que recebe uma camada de plástico para proteger embalagens não pode ser reciclado. Na Ibema, produtora de papel cartão, a reciclagem desse tipo de produto já é realidade, e as embalagens pós-consumo retornam à fábrica para compor novos produtos.

Desagregador, equipamento que sapara o polietileno do papel

Desagregador, equipamento que sapara o polietileno do papel

O objetivo da Ibema é desfazer o mito de que o papel revestido com polietileno não pode ser reciclado, o que atrapalha o descarte correto dos materiais. “Quando o setor de papel desenvolve um produto, deve mirar a utilização pelo consumidor final, mas também que a embalagem desse produto volte à indústria para reciclagem”, diz o diretor técnico e de P&D da Ibema Papelcartão, Fernando Sandri. “O ideal é quando o projeto é feito de forma integrada entre fabricantes de embalagens, empresas de design, usuários de embalagem e varejo – os resultados são mais eficientes.”

A capacidade da indústria de reciclar esse tipo de material que produz se tornou crucial com a explosão do setor de food service. Esse é um mercado que exige cada vez mais embalagens, pois cresce mesmo em períodos de crise, tendo registrado um faturamento 85% maior entre 2010 e 2016, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação.

A explosão dos serviços de delivery por aplicativo é um dos motivos para o crescimento da produção física brasileira de embalagens, que cresceu 1,96% em 2017 e deve alcançar quase 3% em 2018, de acordo com a Associação Brasileira de Embalagens (ABRE).

Em meio a esse cenário, o uso do plástico associado ao papel é crescente, para oferecer a proteção adequada a produtos comestíveis e líquidos. “Já reciclamos materiais com plástico em nossas plantas. Nossa preocupação é que esse material possa ser recolhido e volte às fabricas para sua correta reciclagem. Além disso, a Ibema estuda opções de matérias-primas que substituam o polietileno”, explica a executiva de Inovação de Embalagens da Ibema, Fabiane Staschower.

A tecnologia usada na Ibema para a reciclagem do papel cartão consegue separar as fibras de celulose e o plástico por meio de um tratamento mecânico. As fibras do plástico começam a ser separadas logo no início do processo, quando entram para a produção. Com processos de calor, agitação e muita água, as fibras se separam do plástico e esse é recuperado por meio de peneiras, enquanto as fibras vão direto para a produção do novo cartão.

Comentários


menu
menu