Pesquisa mostra quanto informações de código de barras influenciam decisão de compra

A pesquisa “O uso do código de barras no Brasil: consumidores e empresas”, desenvolvida pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil entre o último trimestre de 2015 e o primeiro deste ano, demonstra a relevância do código de barras na decisão de compras do consumidor e no desempenho comercial e de gestão das principais empresas do país. Com foco nos hábitos do consumidor, esta foi a segunda fase do trabalho apresentado em junho de 2015 em parceria com a consultoria H2R Pesquisas.

Nessa fase, a pesquisa teve início consultando consumidores, a fim de delinear o seu comportamento de compra. A primeira constatação é de que a tecnologia se instalou definitivamente nos hábitos do brasileiro, sendo que 87% dos entrevistados afirma ter o hábito de usar a internet como meio de compras, além da presença física nas lojas de varejo. Somente 9% deles revela comprar pessoalmente, sem usar a tecnologia, e 4% têm a internet como meio exclusivo de compras. Daqueles que preferem comprar pessoalmente, 30% têm acima de 55 anos de idade.

Atividade rotineira da população, o consumo ocupa uma hora por dia dos entrevistados, em média. 52% deles afirma dedicar esse tempo diário às compras. Já os que se ocupam até duas horas diárias ao consumo somam 31%.

Quanto mais tempo dedicado às compras, mais bem informada a população está em relação à qualidade, recursos, validade e matéria-prima de seus objetos de desejo ou alimentos. E é nesse ponto que os padrões GS1 que orientam a automação comercial auxiliam não somente as empresas da cadeia de abastecimento mas também o nível de informação do consumidor. Por exemplo, o padrão mais comum, o código de barras de identificação de produtos, agrega informações como:

  • consulta de preço;
  • data de validade;
  • referências do produtor/indústria; e
  • procedência.

 

Um dos resultados do trabalho aponta o interesse das pessoas por novas tecnologias e seu novo comportamento de consumo. Hábitos como anotar preços em papel ou esperar por anúncios comerciais na tevê já não são lembrados, em detrimento da velocidade da informação via internet. Observa-se, então, que o código de barras assume relevância cada vez maior para os brasileiros, principalmente se associado a aplicativos móveis. Entre os consumidores entrevistados, 88% revelam que as novas tecnologias facilitam o dia a dia. 78% deles sentem-se confortáveis em testar as novidades e 46% procuram descobrir o quanto antes a utilidade das novas tecnologias.

 

As entrevistas foram aplicadas nos estados de São Paulo, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia, Sergipe e do Distrito Federal. Foram consultados 477 consumidores maiores de 18 anos, com acesso a smartphone, e 159 empresas que atuam em Indústria, Agronegócio e Comércio. O universo abrangido pela pesquisa é o de empresas que oferecem produtos acabados e destinados ao consumidor final e identificados por código de barras. “Iniciamos uma série de trabalhos sem precedentes no Brasil no segmento de automação; a partir de agora, teremos base prover números relevantes, que servirão de referência para a indústria, distribuição e comércio”, afirma João Carlos de Oliveira, presidente da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil.

Comentários


menu
menu