Fabricantes de latas de alumínio preveem crescimento baixo em 2016

As vendas brasileiras de latas para bebidas apresentaram crescimento de 1,2% em 2015, apesar da crise que afetou o mercado de bebidas no país. Mesmo com a economia brasileira em baixa e frente a uma queda na produção e no consumo de cervejas e refrigerantes, a comercialização de latinhas conseguiu superar os números registrados em 2014, atingindo 24,1 bilhões de unidades vendidas. O mercado brasileiro mantém-se como o terceiro maior do mundo, atrás apenas do americano e do chinês.

Para este ano, os três fabricantes de latas de alumínio para bebidas no país – Rexam, Crown Embalagens e Latapack-Ball – são cautelosos com relação ao desempenho do mercado de embalagens em 2016. A expectativa é que a venda de latinhas cresça até 1%, mesmo com a realização das Olimpíadas e das Paralimpíadas do Rio de Janeiro.

Para Carlos Medeiros, presidente da Rexam, as latas especiais devem continuar conquistando espaço importante no mercado, mas há outros fatores que devem limitar o crescimento. “Não esperamos grandes alterações no cenário. Pressionada pelo câmbio, pela perda do poder aquisitivo da população e até pelo aumento do ICMS em alguns mercados, a comercialização de latas para bebidas deve ter um crescimento de cerca de 1% novamente.”

O presidente da Crown Embalagens, Wilmar Arinelli, diz acreditar que “a turbulência econômica e política continuará impactando os diversos setores produtivos, inibindo novos investimentos, porém acho possível que a lata para bebidas, por sua versatilidade, ainda tenha espaço para crescer no mix de embalagens. Em 2016, portanto, o volume deverá se manter estável ou até apresentar crescimento marginal.”

Jorge Angel Garcia, diretor financeiro da Latapack-Ball, também vê com cautela a situação, mas acredita que o setor continuará encontrando as melhores soluções para os produtores de bebidas. “Nos últimos anos tivemos crescimento porque investimos na descentralização da produção e na inovação em formatos e tecnologias de impressão das latas.”

Fonte: Abralatas

Comentários


menu
menu