Videolar conclui a compra da Innova Petroquímica

Após mais de um ano de expectativas pela decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), a compra da Innova Petroquímica pela Videolar foi aprovada com algumas restrições previstas no ACC (Acordo em Controle de Concentrações). A Videolar assume o controle da petroquímica Innova mirando a expertise dos seus recursos humanos, as plantas integradas, e com planos para futuros investimentos.

A compra foi realizada da Petrobras, o que dá ao negócio a feição de uma privatização. Ficam do capital total 60% para a Videolar e 40% para seu controlador, o empresário Lirio Parisotto. Na planta industrial da Innova (Polo Petroquímico de Triunfo, RS) são fabricados o etilbenzeno, o monômero de estireno e a resina poliestireno. A Videolar produz em Manaus o poliestireno.

“Hoje o Brasil importa 300.000 toneladas do monômero de estireno por ano, sendo que metade desse total é consumida pela Videolar” explica Lirio Parisotto.

Até a aquisição da Innova, a Videolar não fabricava estireno. Agora está integrada também essa etapa da cadeia produtiva. “Vamos conseguir atender ao mercado mais regionalmente. A demanda existe. E, a depender da matéria-prima, haverá condições de investirmos para dobrar a planta da Innova”, acredita Parisotto.

Em 2002, a Videolar passou a produzir o poliestireno em Manaus, insumo essencial aos estojos das mídias (Cds e DVDs), à época no auge de mercado. Além disso, havia também consumo expressivo pelas indústrias eletroeletrônica e de eletrodomésticos da Zona Franca. A capacidade instalada está em 150.000 toneladas/ano.

Além da resina, a Videolar produz em Manaus chapas de PS (poliestireno) e PP (polipropileno), o filme plástico rígido PP CAST e o BOPP (polipropileno bi orientado, filme plástico de alta resistência, esticado em dois sentidos). Há ainda uma unidade industrial em Manaus dedicada à fabricação de tampas e estojos plásticos.

Comentários


menu
menu