Negócio social capacita grupos produtivos de baixo poder aquisitivo

Projeto pioneiro, criado em 2008, a Asta vem se firmando como um negócio social com crescimento contínuo, que hoje faz a diferença e transforma a realidade de 50 grupos produtivos de regiões de baixo poder aquisitivo. Através de múltiplos canais de vendas – venda direta, e-commerce, empresas e loja física – a Asta leva aos consumidores produtos de design feitos à mão. São itens de decoração e acessórios, cheios de histórias,peças únicas, sendoa maior parte criada a partir do reaproveitamento de diferentes materiais.

Nessa cadeia de produção entram a criatividade e o talento de verdadeiros artistas que, hoje, encontram na Asta a possibilidade de aperfeiçoarem seus processos produtivos e chegarem ao público consumidor. O modelo de trabalho da Asta valoriza quem produz, respeita o meio ambiente e cria relações econômicas justas para toda a cadeia. “ O principal objetivo da Asta é transformar produtos e pessoas. Atuamos no sentido de capacitar e abrir portas para grupos produtivos da base da pirâmide, com distribuição justa dos lucros e reaproveitamento de materiais, em uma cadeia do bem, na qual todo mundo se beneficia”, explica Alice Freitas, idealizadora e coordenadora executiva da Asta.E completa: “A Asta é um negócio social que une, de um lado, talentos que produzem design com as mãos e, do outro, quem é apaixonado por esses produtos. No recheio, um modelo de comércio justo e desenvolvimento social. Este é um tema recente, mas que já se apresenta como uma solução viável para o capitalismo do futuro. São modelos de empreendimentos que combinam a viabilidade econômica com o impacto social positivo”.

O processo criado pela Asa começa com a seleção de grupos produtivos formados por mulheres, moradoras de regiões de baixo poder aquisitivo (90% do estado do Rio de Janeiro e 10% em outros estados). Atenta à importância do desenvolvimento e capacitação dessas artesãs, a Asta oferece treinamentos e apoio à criação das coleções. O passo seguinte é a escolha dos melhores produtos – entre acessórios, itens de moda e decoração – mais de 80% feitos a partir do reaproveitamento ou reciclagem de diferentes materiais. Os produtos seguem, então, para os canais de venda: venda direta (por catálogo), e-commerce, loja física (Sâo Paulo e Rio de janeiro) e empresas (brindes corporativos sustentáveis). Através desses canais, a Asta faz a conexão entre os grupos e pessoas apaixonadas por design feito à mão, contribuindo para que produtoras gerem renda e sobrevivam financeiramente.

No sistema de venda direta da Asta, as peças são vendidas por conselheiras, termo usado para designar pessoas que acreditam no comércio justo e que podem aconselhar sobre a importância do consumo consciente. De posse de um catálogo, vendem diretamente aos consumidores finais, numa forma de venda parecida com a de grandes redes de cosméticos. “As conselheiras da Asta vendem não só os produtos, como também o que trazem como valor agregado: a possibilidade de se gerar sustentabilidade através de uma justa distribuição de renda e um consumo consciente”, destaca Alice Freitas.

Em 2012, a Asta abriu em São Paulo um novo escritório e também um showroom, onde é possível conhecer de perto as peças disponíveis no catálogo e no sistema e-commerce. No Rio de Janeiro, a Asta passará a contar tambémcom uma nova loja , no bairro de Laranjeiras, na zona sul da cidade.

Na web, o público pode ter acesso não só à história da Asta como também consegue adquirir os produtos. Divididas em categorias, as peças desenvolvidas pelos grupos produtivos são apresentadas com fotos, preços e o material utilizado e sua fabricação. O processo de compra é simples, rápido e o consumidor recebe em casa os itens de decoração e acessórios selecionados.

A Asta é também produz brindes corporativos sustentáveis. No desenvolvimento dessas peças, os grupos produtivosutilizam como matéria prima resíduos empresariais, que podem ser desde sobras de tecidos até filtros de café usados.

 

Comentários


menu
menu